A metamorfose em Eraserhead, de David Lynch

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Na obra de David Lynch há, sem dúvida, marcas da estética surrealista. Não apenas nos filmes, como também nas séries de TV, nas pinturas e fotografias. O movimento, seus artistas e aspectos simbólicos moldaram inegavelmente a arte do cineasta norte-americano. A metamorfose é um desses aspectos, bem como um dos temas de Eraserhead (1977), seu filme de estreia. Também é elemento-chave da mitologia. Por isso, vamos analisar esse tema a fim de entender seu papel nos mitos e as formas que assume nas artes visuais. Isso depois de analisar o clássico cult de Lynch.

O surrealismo em Eraserhead

De forma altamente estilizada, Eraserhead fala sobre os desafios de um casal com um filho recém-nascido. Fala também da insônia, da relação com os vizinhos e dos medos que cercam a vida doméstica. A estética singular do filme cria uma atmosfera densa e sombria, com fumaça e fuligem, e uma trilha sonora que se afasta do realismo. As cenas de animação, os efeitos práticos e o tema da metamorfose ligam o inconsciente do cineasta ao dos espectadores.

Nesse sentido, Eraserhead evoca o horror e com o surrealismo, embora seja mais um filme abstrato. Para alguns cineastas, esse tipo de filme é como uma “música visual”. De fato, é possível fazer o som antes das imagens. Os filmes experimentais, por exemplo, eventualmente criam suas imagens com base em trilha sonora já existente. Em muitos de seus filmes, como é o caso de Veludo Azul (1986), Lynch fez boa parte do som antes da filmagem.

O cineasta nunca negou sua atração pelo cinema de vanguarda. No documentário Arena: Ruth, Roses and Revolver (1987) da BBC, Lynch cita os artistas que o influenciaram e faz uma observação digna de nota. De acordo com ele, o trio René Clair, Man Ray e Jean Cocteau viu no cinema a mídia perfeita, pois permitia a expressão do inconsciente.

Se era esse o objetivo do surrealismo, da mesma forma, Lynch seria um surrealista. Não surpreendentemente, ele definiu os cineastas e os pintores dessa escola como seus mentores na arte de criar imagens estranhas. Como resultado, o sucesso e a estranheza de Eraserhead deram impulso à carreira de Lynch. Desde então, em sua obra como um todo, o artista adotaria um estilo inegavelmente surrealista.

A influência de Kafka

Em síntese, Eraserhead reflete as angústias de um homem que vê sua vida recomeçar, bem como as mudanças pelas quais ele passa. Enquanto metáfora, reflete a vida do próprio Lynch em tempos de incerteza, depois que seu filho nasceu, quando ele era jovem e tentava se afirmar na área artística. Com efeito, mostra a viagem psicológica do personagem Henry Spencer (Jack Nance), vítima de uma mudança interna que deixa suas emoções à flor da pele. Algumas cenas tocam no horror e no bizarro, mas sem deixar de lado o senso de humor macabro do cineasta.

Desse modo, o filme evoca A Metamorfose (1915) de Franz Kafka — que Lynch pensara em adaptar — em sua mescla de realismo e domesticidade fantástica. É clara a relação com a obra literária. Na segunda parte de Eraserhead, as cenas do bebê-monstro (filho de Henry) agravam o sentimento de opressão psicológica, com toques do grotesco, outro traço do estilo de Lynch. Conforme Wolfgang Kayser, o grotesco é o mundo que se torna estranho. Em outras palavras, o que era familiar aos nossos olhos se revela inesperadamente sinistro, mas foi o nosso mundo que mudou. E esse mundo, herdeiro da tragédia grega, parece absurdo.

Henry e seu estranho filho.

A metamorfose na mitologia grega

Assim como a lagarta vira borboleta, muitos personagens lendários podem mudar de forma. Sobretudo nos mitos gregos, mas não apenas, a metamorfose é tema de várias histórias. Vítima de sua rival, a deusa Atena, logo após vencê-la num desafio de tecelagem, a jovem Aracne torna-se uma aranha fiandeira. Na Odisseia, Ulisses ora é um jovem viril, ora é um velho mendigo, e a bruxa Circe faz homens virarem porcos.

De todos, a princípio, é Zeus quem mais se altera. Faz isso principalmente por amor, como explica Richard Buxton, mas também por vingança. No entanto, às vezes é difícil afirmar se a metamorfose, nos antigos mitos, de fato ocorre ou se é figurativa. Por exemplo, Atena voou na forma de um pássaro ou “como um pássaro”?

Nas artes visuais, de acordo com Buxton, há três modos de representar a metamorfose.

1- Ilustração, quando vários animais seguem uma deusa, nos quais ela parece se transformar.

2- Completa, quando Zeus vira chuva de ouro, cisne, touro, águia…

3- Híbrida, categoria à qual pertence o Minotauro, por exemplo.

O autor também buscou seres meio homem, meio animal fora da religião grega — no Oriente Próximo, na Índia e no Egito, bem como nas tradições judaica e cristã. No caso da Metamorfose de Kafka, a mudança é completa: Gregor Samsa acorda como um inseto enorme. Já no filme de Lynch, é híbrida, de modo a dar vida ao grotesco. Enfim, desde os antigos mitos, o tema em questão é elemento-chave de muitas de nossas histórias.

Mais da série “O Cinema de David Lynch”. Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5

Referências

A metamorfose 1915), de Franz Kafka.

O grotesco (1986), de Wolfgang Kayser.

O cinema limítrofe de David Lynch (Tese, PUC/SP, 2003), de Rogerio Ferraraz.

Masters of Cinema: David Lynch (2010), de Thierry Jousse.

A arte do cinema: uma introdução (2013), de David Bordwell e Thompson.

Forms of Astonishment: Greek Myths of Metamorphosis (2017), de Richard Buxton.

Relaciones entre pintura y cine en David Lynch: The Art Life (2016)“, de Ángel Justo Estebaranz (2018).

Como citar este artigo? (ABNT)

REIS FILHO, L. A metamorfose em Eraserhead, de David Lynch, Projeto Ítaca. Disponível em: https://projetoitaca.com.br/a-metamorfose-em-eraserhead-de-david-lynch/. Acesso em: 04/07/2022.

Lucio Reis Filho

Lucio Reis Filho

Historiador, professor e escritor. Tem Doutorado em Comunicação (Cinema e Audiovisual) e especialização em Estudos Clássicos.
Lucio Reis Filho

Lucio Reis Filho

Historiador, professor e escritor. Tem Doutorado em Comunicação (Cinema e Audiovisual) e especialização em Estudos Clássicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relacionado