O Homem Elefante (e o elefante) como símbolo

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

“O Homem Elefante” estreou na Broadway no início dos anos 1980, com o músico e ator David Bowie no papel principal. A peça conta a história do inglês Joseph Merrick (1862-1890), que nasceu com deformações que fizeram dele atração de circo, bem como curiosidade científica. Por isso, ganhou o cruel apelido que dá nome à peça. A partir de um personagem que de fato existiu, David Lynch resolveu contar essa triste história em seu segundo filme. Sabemos que na obra do cineasta há marcas da estética surrealista e do expressionismo. No entanto, além do foco nas artes visuais, vamos desvendar o homem elefante como símbolo e o significado desse animal na mitologia.

O filme como metáfora da era vitoriana

Antes de tudo uma alegoria, O Homem Elefante traz toques do surrealismo e tenta recriar, com toda fumaça e fuligem, a era vitoriana. Também evoca o maniqueísmo, isto é, a dualidade do Bem contra o Mal própria das bases judaico-cristãs, dos contos de fadas ou das fábulas. No caso do cinema, essa oposição é bem clara no film noir ou no cinema clássico hollywoodiano, por exemplo.

A ideia de alegoria, que é a representação figurativa de algo, mostra-se desde o início. As imagens do sonho com elefantes, que abrem o filme, sugerem em síntese um evento de grande violência. Para os ocidentais, o elefante é imagem viva do peso, da lentidão e da falta de jeito. Na mitologia asiática, em contraste, a ideia que se faz desse animal é muito diferente. Ele é símbolo do poder dos reis, bem como de paz e a riqueza. Não simboliza peso bruto, mas equilíbrio. No filme, a cena inicial é metáfora da era vitoriana. Os elefantes evocam o poder da Inglaterra no fim do século XIX. Ao mesmo tempo, servem de crítica aos efeitos da indústria e da mecanização sobre os seres humanos e o meio ambiente.

À Newsweek, Jack Kroll abordou o filme enquanto metáfora da época. “Lynch estava claramente interessado nos aspectos simbólicos da história“, disse o crítico. Dessa forma, “vê Merrick como metáfora distorcida e trágica (…) da sociedade industrial que [esmagou] a Inglaterra vitoriana com punhos de ferro”.

O estilo visual de O Homem Elefante

No filme, aos moldes do expressionismo, as sombras criam no espectador um efeito de opressão. Por sua vez, os ruídos ásperos das engrenagens lembram o berro dos elefantes. Os sons geram suspense e medo, ao mesmo tempo que relacionam, de modo quase subliminar, a industrialização violenta ao caos da selva.

Para isso, o diretor de fotografia Freddie Francis se inspirou principalmente na Hammer Films, produtora britânica que revolucionou o cinema de horror nos anos 50. Usou preto e branco (para contraste), tons metálicos, toques do gótico e elementos da revolução industrial (fábricas, fumaça, neblina). O protagonista deformado surge nesse ambiente como um símbolo dos oprimidos, numa atmosfera de recria de forma brilhante o mundo vitoriano. Isso faz do filme, acima de tudo, uma história das cidades modernas e suas constantes transformações.

Elementos expressionistas

As relações com o expressionismo alemão se mostram tanto na pintura de Lynch quanto em seus filmes. No cinema, ele usa temas e elementos (o sonho, a dupla identidade, o choque entre mundos), bem como as técnicas formais dessa escola. Assim sendo, há distorções (de corpos e formas), ângulos oblíquos de câmera e cenários bizarros, quase góticos. Afinal, os filmes expressionistas eram altamente estilizados.

Com o preto e branco já presente em seu primeiro filme, Lynch evoca o cinema mudo que é herdeiro dessa tradição. Igualmente, cria contrastes (luz e sombra, feio e belo, Bem versus Mal) com efeito de provocar terror. Também é expressiva a influência do pintor Francis Bacon, já que a atmosfera ao mesmo tempo sedutora e sinistra da sua obra também se destaca.

O homem elefante como personagem

Os Amantes (1928) de Reené Magritte mostra duas pessoas cobertas pelo véu da paixão e do desejo. O quadro reflete um dos temas do pintor: a ideia de que as pessoas precisam enxergar através do véu que oculta a realidade do mundo e das coisas. No filme de Lynch, não por acaso, o homem elefante surge como uma figura de capuz. Se o tema da paixão é central no quadro, o pano que encobre as feições grotescas, por outro lado, oculta um oásis de bondade e candura.

Amante dos livros e da música, Merrick é culto e sensível. Nesse sentido, podemos relacionar a figura antropomórfica desse “homem elefante” com Ganesha, o deus hindu das ciências e das letras, cuja cabeça é o símbolo da sabedoria. Seu maior desejo é se relacionar com as pessoas; não só busca a humanidade, como também quer ser visto nesses termos, não como objeto de curiosidade e ganância.

Acuado pela multidão hostil numa estação de trem, o homem elefante berra: “Eu não sou um animal. Eu sou um ser humano. Eu sou um homem”. Esse é o clímax do filme. Por analogia, o personagem é metáfora do próprio cineasta em início de carreira. Afinal, Lynch era uma alma frágil e isolada em busca de sua própria voz. E, com esse filme, ele de fato provou seu talento na direção de nomes como John Hurt e Anthony Hopkins. Por conseguinte, os astros elevam sua obra a um nível shakespeariano.

Mais da série O Cinema de David Lynch”. Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5

Referências

O grotesco (1986), de Wolfgang Kayser.

O cinema limítrofe de David Lynch (Tese, PUC/SP, 2003), de Rogerio Ferraraz.

Cinema Studies: the key concepts (2006), de Susan Hayward.

Masters of Cinema: David Lynch (2010), de Thierry Jousse.

A arte do cinema: uma introdução (2013), de David Bordwell e Thompson.

Retrato de cineasta pintando en el estudio: relaciones entre pintura y cine en David Lynch: The Art Life (2016)“, de Ángel Justo Estebaranz (2018).

Dicionário de símbolos (2020), de Jean Chevalier e Alain Gheerbrant.

Como citar este artigo? (ABNT)

REIS FILHO, L. O Homem Elefante (e o elefante) como símbolo, Projeto Ítaca. Disponível em: https://projetoitaca.com.br/o-homem-elefante-e-o-elefante-como-simbolo/. Acesso em: 04/07/2022.

Lucio Reis Filho

Lucio Reis Filho

Historiador, professor e escritor. Tem Doutorado em Comunicação (Cinema e Audiovisual) e especialização em Estudos Clássicos.
Lucio Reis Filho

Lucio Reis Filho

Historiador, professor e escritor. Tem Doutorado em Comunicação (Cinema e Audiovisual) e especialização em Estudos Clássicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relacionado