O que é daemon? Cyberpunk 2077 e o poder do hacking

Bem antes de chegar às lojas, Cyberpunk 2077 já era um sucesso. A grande aposta da CD Projekt é um RPG de mundo aberto que leva o jogador à Night City, metrópole ficcional no Oeste dos Estados Unidos. Sob controle de grandes corporações, esse lugar violento e high-tech traz o melhor da estética cyberpunk, subgênero da ficção científica que nasceu nos anos 1980. Suas principais características são o futuro distópico, a tecnologia avançada, a inteligência artificial e a cibernética. O game nos leva, portanto, a um mundo altamente tecnológico de arranha-céus, letreiros neon e carros voadores, em contraste com um submundo de gangues e violência urbana. Essa, aliás, é uma das ideias centrais do cyberpunk: o progresso tecnológico anda de braços dados com o declínio moral da sociedade. Mas há em Cyberpunk 2077 uma referência à mitologia grega, e junto com ela vem uma pergunta: o que é daemon?

As origens na mitologia grega

Os deuses gregos (theoi) são inegavelmente complexos e têm muitas formas. Por isso, a palavra theos não basta para compreendê-los. A partir de Homero surgiu um outro termo, embora suas origens sejam incertas: daimōn (“δαίμων”). Na Ilíada, por exemplo, os deuses do Monte Olimpo são daimones e um deles, Afrodite, lidera o resgate a Helena sob essa forma. Mas, afinal, o que é daemon? Em primeiro lugar, esse termo não define uma classe específica de seres divinos; tem mais relação com um tipo de atividade. Assim sendo, Daimon é um poder oculto, uma força que impulsiona o indivíduo. Em outras palavras, se a maré está a seu favor, a pessoa age junto ao daimon; do contrário, se opõe a ele.

Nos mitos gregos o termo daimon ou daemon indica não só uma “ponte” entre os deuses e os mortais, como também um “espírito” ou força de inspiração. Posteriormente, a forma latina daemon deu origem à palavra demon na língua inglesa. (Veja o texto sobre o filme de horror Hellraiser II: Renascido das Trevas). A palavra se popularizou na Idade Média, quando era sinônimo de espírito maligno ou “demônio” (em contraste com o significado do termo nas antigas religiões pagãs).

O termo continua bem vivo nos dias de hoje. Seus sentidos originais também sobreviveram, graças à capacidade de diferenciar um espírito mau de outros seres moralmente neutros da religião clássica. Em His Dark Materials (1995-2000), por exemplo, o escritor Phillip Pullman usa a forma daemon. Nessa trilogia (Nas fronteiras do universo, no Brasil), que inclui A Bússola de Ouro e mais dois livros, cada pessoa tem um companheiro animal, que é a personificação de sua alma. Também podemos citar como representações dessas forças os digimons, da popular série japonesa dos anos 1990.

Os hackers e seus daemons

Às vezes, o sentido dos termos muda inesperadamente. Não é incomum os games trazerem as mais livres adaptações de elementos da mitologia, ou darem a eles sentidos totalmente distintos do original. Esse é caso de Cyberpunk 2077. Nele, o jogador assume o papel do mercenário “V”, com habilidades de combate e de hacker. Além dos hacks rápidos (quickhacks), que usa com o intuito de afetar inimigos ou aparelhos, há também aqueles que adotam o termo grego. Mas, afinal, o que é daemon no game? Nada mais que poderosos programas capazes de invadir as redes inimigas e afetar tudo conectado a elas.

Em Cyberpunk 2077, portanto, um dos objetivos é invadir as redes dos inimigos. Concluir o minigame de hacking dá acesso aos daemons de sua escolha. Para destravar daemons mais poderosos, o jogador deve gastar seus pontos na árvore de habilidades. Decerto, os daemons não têm nada de religioso ou sobrenatural nesse contexto high-tech. Mas não deixam de ser um tipo de poder que o jogador usa para avançar na história. Esse poder não passa de diferentes formas de hacking. Nesse sentido, Cyberpunk 2077 mantém a relação do termo grego com um tipo específico de atividade. É interessante notar que o termo de fato existe na computação. Nos sistemas operacionais multitarefa, um daemon é um programa que se executa como processo em segundo plano, fora do controle direto de um usuário interativo.

Para mais informações sobre os daemons em Cyberpunk 2077 e como usá-los, veja o guia da PC Games (em inglês).

Referências

From Bonbon to Cha-cha: Oxford Dictionary of Foreign Words and Phrases (2008), organizado por Andrew Delahunty.

Greek religion (1985), por Walter Burkert.

Como citar este artigo? (ABNT)

REIS FILHO, L. O que é daemon? Cyberpunk 2077 e o poder do hacking, Projeto Ítaca. Disponível em: https://projetoitaca.com.br/o-que-e-daemon-cyberpunk-2077-e-o-poder-do-hacking/. Acesso em: 19/07/2024.

Lucio Reis Filho

Lucio Reis Filho

Lúcio Reis Filho é Ph.D. em Comunicação (Cinema e Audiovisual), escritor e cineasta especializado nas interseções entre Cinema, História e Literatura, com foco nos gêneros do horror e da ficção científica. Historiador com especialização em Estudos Clássicos pela Universidade de Brasília, em parceria com a Cátedra Unesco Archai (Unb/Unesco), é Coordenador do Projeto Ítaca. Seus interesses acadêmicos e de pesquisa são essencialmente interdisciplinares; abrangem Cinema, Artes Visuais, História, Literatura Comparada e Estudos da Mídia. Escreve periodicamente resenhas de livros, filmes e jogos para diversas publicações.
Lucio Reis Filho

Lucio Reis Filho

Lúcio Reis Filho é Ph.D. em Comunicação (Cinema e Audiovisual), escritor e cineasta especializado nas interseções entre Cinema, História e Literatura, com foco nos gêneros do horror e da ficção científica. Historiador com especialização em Estudos Clássicos pela Universidade de Brasília, em parceria com a Cátedra Unesco Archai (Unb/Unesco), é Coordenador do Projeto Ítaca. Seus interesses acadêmicos e de pesquisa são essencialmente interdisciplinares; abrangem Cinema, Artes Visuais, História, Literatura Comparada e Estudos da Mídia. Escreve periodicamente resenhas de livros, filmes e jogos para diversas publicações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *